Netsaber » Biografias

Glauber Rocha

(Cineasta brasileiro)
14-3-1939, Vitória da Conquista (BA)
22-8-1981, Rio de Janeiro (RJ)


Em maio de 1964, Deus e o Diabo na Terra do Sol concorre à Palma de Ouro no XVII Festival do Filme, em Cannes, perdendo para uma comédia musical francesa. Recebe, contudo, o Prêmio da Crítica Mexicana, no Festival Internacional de Acapulco, México; o Grande Prêmio Festival de Cinema Livre, na Itália; e o Náiade de Ouro, no Festival Internacional de Porreta Terme, na Itália. O diretor: Glauber Andrade Rocha. Idade: 25 anos. A partir desse episódio, o novo movimento cinematográfico brasileiro, o Cinema Novo, que revolucionou a linguagem do filme brasileiro nos anos de 1960, entrou para a história do cinema mundial. Nascido na cidade de Vitória da Conquista, na Bahia, Glauber trabalhou como crítico de cinema em Salvador. Estreou como diretor com os curtas experimentais Pátio (1957) e Cruz na Praça (1959). Em 1961, filmou seu primeiro longa-metragem: Barravento. O filme, tendo o mar, a dança, as cerimônias e os sacrifícios rituais como elementos da narrativa, conta a história de um grupo de pescadores baianos. Ganhou uma célebre crítica de Alberto Moravia, no jornal L'Expresso (1963): "Trata-se de um dos mais belos filmes que temos visto atualmente (...) Particularmente, o que mais me impressiona no filme de Glauber Rocha é o fato de que a magia não é representada como um fenômeno folclórico, mas como uma tentação, uma insídia, um fascínio e um desejo de retrocesso e anulação. Esse é um fato da consciência e, como tal, uma realidade histórica". Em 1964, surgiu Deus e o Diabo na Terra do Sol; baseado na literatura de cordel, retrata a pobreza e o fanatismo do povo nordestino. O filme seguinte, Terra em Transe (1967), que trata dos conflitos políticos, da violenta disputa pelo poder, da miséria e do subdesenvolvimento num país chamado Eldorado, conquistou reconhecimento e prêmio da crítica no XX Festival de Cannes. Seu terceiro longa-metragem, O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro (1969), inspirado no folclore e no misticismo do sertanejo, conquistou o prêmio de direção no XXI Festival de Cannes. A Idade da Terra (1980) foi apresentado na Mostra Internacional de Cinema de Veneza, provocando polêmica. Nas palavras do diretor italiano Michelangelo Antonioni, o filme é uma lição de como se deve construir o cinema moderno.

Biografias Relacionadas


- Manoel De Oliveira

Estreou no cinema como figurante no filme Fátima Milagrosa (1929) e como diretor no documentário Douro, Faina Fluvial (1931). Como ator, participou no filme A Canção de Lisboa (1934). Aniki-Bobó (1942), o seu primeiro longa-metragem, é uma das obras mais...

- Michelangelo Antonioni

Antonioni iniciou a carreira como assistente do diretor Marcel Carné. Nos anos 1960 os seus filmes conheceram grande êxito: A Noite ganhou em 1961 o Urso de Ouro do Festival de Berlim, e Blow-Up – Depois Daquele Beijo (primeiro longa-metragem em língua...

- Jean-luc Godard

Acossado (1959) é o primeiro filme deste crítico de cinema e do movimento cinematográfico francês conhecido por nouvelle vague. Considerado uma obra-prima do cinema, distingue-se pela história e pela montagem audaz. Outros filmes importantes de Godard...

- Anselmo Duarte

Anselmo Duarte Bento começou no cinema como molhador de tela, aos 10 anos de idade. No tempo das fitas mudas, o projetor ficava atrás da tela e a esquentava. Era preciso jogar água a cada dois rolos de filme para evitar incêndios. Na infância, ele...

- Robert Altman

Antes de vencer o Palma de Ouro do Festival de Cinema de Cannes em 1969 com M.A.S.H., uma sátira sobre a Guerra do Vietnã, Altman tinha realizado documentários e séries de televisão, entre as quais alguns episódios de Bonanza. Seus filmes, centrados na...