Netsaber » Biografias

Hélio Oiticica

(Artista plástico brasileiro)
26-7-1937, Rio de Janeiro (RJ)
22-3-1980, Rio de Janeiro (RJ)


Hélio Oiticica foi um dos mais criativos artistas plásticos brasileiros. A síntese de sua obra são seus belos "Parangolés" (1964): capas, estandartes ou bandeiras coloridas de algodão ou náilon com poemas em tinta sobre o tecido a serem vestidas ou carregadas pelo ator/espectador, que passa a perceber seu corpo transformado em dança. Quase uma poesia, pois a obra de arte só se revela quando alguém a manuseia, a movimenta. Como bem definiu o poeta Haroldo de Campos, o "Parangolé" é uma "asa-delta para o êxtase". Carioca anarquista, Oiticica transitou entre os morros do Rio de Janeiro e os Estados Unidos, onde morou de 1948 a 1950, época em que se mudou com a família, e a partir de 1970, quando foi para Nova York. Aluno de Ivan Serpa, iniciou sua trajetória artística ligado às experiências concretas e neoconcretas. Das pinturas em guache sobre cartão, saturadas de cor e sem perspectivas, rompeu com o conceito tradicional de quadro e elaborou os "Monocromáticos" ou "Invenções" (1958-1959): placas de madeira que recebem várias camadas de tintas e dispostas na parede aleatoriamente. Cada vez mais desejoso de integrar a arte à experiência cotidiana, passou a propor a participação do espectador pela vivência visual, em obras como os "Bilaterais" e os "Relevos Espaciais" (1959): placas de madeira pintadas e suspensas por fios presos no teto; e os "Núcleos" (1960-1963): placas de madeira pintadas em sua dupla face e penduradas no teto por um suporte de madeira. Os primeiros parangolés são construções em madeira a serem penetradas pelo espectador, que caminha sobre areia, toca em objetos, escuta ruídos etc. Os segundos, recipientes de diversos materiais, como madeira, vidro, lata e plástico, contêm elementos como areia, pedra e carvão colorido, que devem ser manipulados. Certa vez, escreveu: "A obra nasce de apenas um toque na matéria. Quero que a matéria de que é feita minha obra permaneça tal como é; o que a transforma em expressão é nada mais que um sopro: um sopro interior, de plenitude cósmica. Fora disso não há obra. Basta um toque, nada mais".

Biografias Relacionadas


- Lygia Clarck

Lygia Clark nasceu em Belo Horizonte, 1920. Muda-se para o Rio de Janeiro em 1947 e inicia aprendizado artístico com Roberto Burle Marx. Entre 1950 e 1952, em Paris, estuda com Fernando Léger, Arpad Szenes e Isaac Dobrinsky. De volta para o Brasil, integra...

- Richard Serra

Serra é um dos escultores em metal mais significativos da atualidade. O centro de gravidade e o equilíbrio, a massa e o vazio, a percepção do espaço e a consciência corporal por parte do espectador constituem os temas básicos de sua obra, que elabora...

- Georg Baseliz

Trata-se de um dos principais representantes da arte contemporânea alemã. Suas obras, de estilo neo-expressionista, podem ser contempladas em importantes museus, como o Museu Ludwig, de Colônia. Desde 1969, Georg Baseliz, cujo verdadeiro nome é Hans Georg...

- Agnaldo Dos Santos

Exerceu diversas atividades desde os dez anos de idade. Conforme apontou Clarival do Prado Valladares, foi também “trabalhador numa mina de cal”. No estúdio de Mário Cravo Júnior, em Salvador, onde empregou-se primeiro como vigia (1947), Agnaldo iniciou-se...

- Antoni Tàpies

Ponto de referência para a arte contemporânea, caracterizou-se, desde o início, pela ruptura das convenções — utilização de materiais não-pictóricos que antecipavam os futuros motivos informalistas (Capsa de Cordills, 1946) —, pelo domínio técnico e pela...