Netsaber » Biografias

Tarsila do Amaral

(Pintora brasileira)
1-9-1886, Capivari (SP)
17-/1-1973, São Paulo (SP)


Abaporu. Com essa célebre tela, Tarsila do Amaral deu impulso ao Movimento Antropofágico e propiciou o momento mais criativo e original do modernismo brasileiro no âmbito das artes plásticas. Dado de presente de aniversário a Oswald de Andrade, o artista, entusiasmado com a originalidade da obra, entrou em contato com Raul Bopp e tratou de organizar um movimento em torno dele. Primeiro procurou no vocabulário tupi-guarani o nome que daria à inusitada obra: Aba (homem) e poru (que come) ou antropófago. Mesmo tornando-se figura marcante no movimento modernista, Tarsila não participou da Semana de Arte Moderna. Nessa época, estava em Paris estudando na Académie Julien. Entrou em contato com o grupo modernista só quando retornou a São Paulo, no final de 1922, formando, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti del Picchia, o Grupo dos Cinco. Novamente em Paris (1923), conheceu Léger e Cendrars, entre outros artistas vanguardistas. De volta ao Brasil em 1924, percorreu as cidades históricas mineiras com o poeta francês Blaise Cendrars, Oswald de Andrade e Mário de Andrade numa viagem de descoberta do Brasil. Sua obra pode ser dividida em três fases. Na primeira, denominada Pau-Brasil, Tarsila, influenciada pela construção geométrica de Léger, integra à sua pintura temas brasileiros e as cores caipiras das cidades barrocas mineiras, dos subúrbios das grandes cidades e do universo rural. Alguns dos quadros dessa fase: A Negra (1923), Rio de Janeiro (1923), São Paulo (1924), O Mamoeiro (1925), O Vendedor de Frutas (1925) e Palmeiras (1925) . Com o Abaporu (1928), iniciou a segunda fase, a Antropofágica. Rompendo sua relação tranqüila com o mundo real e usando cores telúricas, uniu o onírico e o fantástico a temas primitivistas e nativistas, que se deformam e se confundem com o sonho. Outras obras da fase: O Ovo (1928), O Lago (1928), Boi na Floresta (1928), O Sono (1928) e Antropofagia (1929 . O terceiro momento, o Social, é iniciado com o quadro Operários (1933), após viagem à União Soviética. Tarsila participou de coletivas no exterior e das primeiras Bienais de São Paulo (1951 e 1953), merecendo uma sala especial em 1963. Em 1964, apresentou-se na 32ª Bienal de Veneza.

Biografias Relacionadas


- Anita Malfatti

Pintora paulista, Anita Catarina Malfatti foi uma das inspiradoras do movimento modernista brasileiro. Iniciou seus estudos na Alemanha, entre 1910 e 1914, freqüentando a Academia Imperial de Belas-Artes de Berlim. Foi influenciada pelo expressionismo...

- Carlos Drummond De Andrade

Escritor de várias fases e maneiras, sem nunca abdicar do fino humor e do lirismo, Carlos Drummond de Andrade é um dos maiores poetas brasileiros contemporâneos. Em seus primeiros livros, Alguma Poesia (1930), Brejo das Almas (1934), Sentimento do Mundo...

- Lasar Segall

Nascido na Lituânia, então sob domínio russo, e naturalizado brasileiro, Lasar Segall alimentou sua arte com as lembranças de sua juventude, representando a figura do imigrante, do rapaz vagabundo, da família pobre, do operário, do apaixonado e do sofredor,...

- Sérgio Buarque De Holanda

Jornalista, sociólogo e historiador brasileiro nascido em São Paulo, um dos maiores intelectuais brasileiros do século XX, que tentou interpretar o Brasil, sua estrutura social e política, a partir das raízes históricas nacionais. Antes de se tornar historiador...

- Victor Brecheret

Victor Brecheret nasceu em 1894, em Viterbo, na Itália. Estudou desenho no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, interessando-se logo depois pela escultura de Rodin através de reproduções. Em 1913 transferiu residência para Roma, onde permaneceu por...