Netsaber » Biografias

Carlos Magno

(Rei da Aquitânia )
747 - 814


Rei da Aquitânia (768-771), Rei dos Francos (771-814) e Imperador do Sacro Império (800-814) talvez nascido em em Ingolheim, primogênito de Pepino, o Breve, rei dos francos e imperador do ocidente, que derrotou o último rei merovíngio e proclamou-se rei dos francos (751). Ao morrer (768), Pepino deixou o reino dividido entre seus dois filhos: Carlos, que logo se tornou conhecido como Carlos Magno, e Carlomano, cuja morte precoce (771), pôs fim à rivalidade existente entre os irmãos. Casou-se (766) com sua primeira esposa, Himiltrude, cujo casamento nunca foi oficialmente anulado, nasceu Pepino, o Corcunda (767-813). Casou-se (768) com Ermengarda, as vezes dita Desiderata ou Desidéria, filha de Desidério, rei da Lombardia, mas não houve descendência e, ante as pressões do papa Estêvão IV, teve de repudiá-la (771). Casou-se (771) com sua terceira esposa, Hildegarda de Sabóia (757-784), e teve vários filhos e filhas, entre eles os reis Carlos, o Jovem (773-811), da Nêustria, Carlomano (775-810), da Itália, Luís (778-840), da Aquitânia e dos Francos, e Lotário (778-780), gêmeo de Luís. A proteção dispensada pelo rei lombardo Desidério a sua filha, assim como à viúva de Carlomano, ao lado do pedido de ajuda do papa Adriano I, ocasionaram sua primeira grande campanha vitoriosa ao derrotar os lombardos em Pavia (774), coroando-se rei do território recém-conquistado. Famoso por sua altura (1,92 m) e habilidade política, aprendeu a ler aos 32 anos e depois de conquistar na Itália o reino lombardo, fazer incursões contra os muçulmanos na Espanha conquistando a região da Catalunha (785), anexar a Baviera (788) e e os ávaros na Hungria, estendendo seu poderio até as regiões do Danúbio, e submeter completamente os saxões (804), conseguiu reunir sob sua coroa quase toda a Europa cristã e ocidental. Quando o papa Leão III foi expulso de Roma (799), refugiou-se na corte carolíngia. No ano seguinte o imperador o reempossou no trono pontifício e, com isso, obteve sua coroação como imperador (800), representando o surgimento do Sacro Império Romano-Germânico para fazer frente ao império iconoclasta bizantino. No natal (800) foi coroado imperador do ocidente pelo papa Leão III, que disse "A Carlos Magno, coroado por Deus, vida e vitória". Doze anos depois seu título reconhecido pelo imperador bizantino Miguel I. Durante os 46 anos de seu reinado, promoveu grande desenvolvimento cultural e empreendeu mais de 50 guerras, para expandir o cristianismo e impor sua hegemonia no ocidente. Recebeu o título de maior soberano da Europa Medieval. A corte logo se tornou não apenas capital política e administrativa do império, mas também importante centro cultural e artístico e procurou elevar o nível cultural de seus domínios tão heterogêneos e dotá-los de uma eficaz estrutura econômica, administrativa e judicial. Soube rodear-se de sábios eminentes, entre os quais se destacaram Eginardo ou Einhard e Alcuíno de York. Criou uma rica biblioteca e procurou ampliar a cultura do clero, fomentando o estudo intensivo do latim nas escolas dos mosteiros e das catedrais. Após sua morte, o império desmoronou, porém sua personalidade continuou tão viva e forte que séculos mais tarde, o próprio Napoleão Bonaparte se proclamou seu sucessor. A influência desse imperador chegou ainda mais longe: depois da segunda guerra mundial, quando se começou a discutir a criação de uma Europa ocidental unida, invocou-se seu modelo unificador. seu título reconhecido pelo imperador bizantino Miguel I. Morreu em Aachen e foi canonizado mais de três séculos depois (1165). Ainda casou-se (784) com sua quarta esposa, Fastrada, e com ela teve Teodrada (784), abadessa de Argenteuil, e Hiltrude (787). Viúvo (794), casou-se novamente e pela última vez, mas não houve descendência. Ainda teve várias concubinas e filhos varões e foi sucedido por Luís I, o Piedoso. Seu vasto império fragmentou-se logo após sua morte e dentre os fatores que contribuíram para a sua desintegração, foram a grande extensão territorial e os parcos meios de comunicação da época. Também a diversidade de idiomas e de costumes dos povos que o integravam, os ataques dos Normandos e a crescente ambição dos nobres feudais, que souberam aproveitar-se da fraqueza dos seus sucessores e do costume de concessões de terras como recompensa de serviços prestados, vitalícias, no início, e hereditárias, depois.

Biografias Relacionadas


- Carlos Ii, O Calvo [ou Charles Le Chauve

5º Rei de França (843-877) e 5º Imperador do Sacro Império Romano-Germânico (875-877) nascido em Frankfurt-am-Main, Hesse, Alemanha, primeiro soberano do território similar ao francês de hoje. Era filho de Luis I o Pio, imperador do Ocidente, e de sua...

- Pepino Iii, O Breve

Rei dos francos fundador da dinastia carolíngia, primeiro rei dos francos a ser ungido, primeiro por são Bonifácio e depois pelo papa Estêvão II. Filho mais novo de Carlos Martel, duque dos Austrasianos e de Rotruda de Trêves, casou-se com Berta de Laon...

- Carlos, O Gordo

7º Imperador do Sacro Império Romano-Germânico (881-888) e Regente de França (884-887) nascido provavelmente em Neidingen, perto de Donaueschingen, que ao assumir a regência do futuro Carlos o Simples, foi apelidado de o Gordo. Era filho de Luís II, o...

- Luís Ii Da França, O Gago

Rei da dinastia carolíngia do Reino franco Ocidental (877-879), que após sua morte foi dividido entre seus filhos Carlomano e Luís III, da sua primeira mulher, Ansgarde de Borgonha. Conhecido por Le Begue, era filho e um dos legítimos herdeiros de Carlos...

- Frederico I Barba-roxa

Imperador do Sacro Império Romano-Germânico nascido em Waiblingen, Alemanha, em cujo governo o império conheceu um momento de esplendor. Herdou o ducado da Suábia (1147) e com a morte do tio Conrado III, foi eleito imperador (1152). A pedido do papa Adriano...