Netsaber » Biografias

Djanira da Mota e Silva

(Artista plástica e religiosa brasileira)
20/06/ 1914, Avaré (SP)
31/03/1979, Rio de Janeiro (RJ)


Descendente de austríacos e de índios guaranis, Djanira da Mota e Silva passou a infância em Porto União (SC), onde trabalhava na lavoura. Na adolescência, voltou para a cidade natal, Avaré (SP). Em 1928, seguiu para São Paulo, onde foi vendedora ambulante. Ganhava pouco, morava e comia mal, mas trabalhava além de suas forças.

Contraiu tuberculose e foi internada no pavilhão de pacientes terminais do Sanatório Dória, de São José dos Campos, nos 1930. No hospital, teve acesso pela primeira vez a pincéis e telas. Djanira passou a pintar figuras de um Cristo contorcido em dores, como os pacientes do pavilhão dos desenganados.

Para espanto dos médicos, ela se recuperou e recebeu alta, quase que completamente curada. Mudou-se nos anos 1940 para o Rio de Janeiro, onde se casou com Bartolomeu Gomes Pereira, um maquinista da marinha mercante. Ele morreu quando um submarino alemão torpedeou o seu navio na Segunda Guerra Mundial.

Viúva e sozinha, alugou um quarto na Pensão Mauá, em Santa Teresa, e viveu como costureira. Os outros hóspedes eram estudantes de pintura com poucos recursos e alguns pintores estrangeiros refugiados de guerra. Entre eles, o romeno Emeric Marcier, que trocou casa e comida por aulas de arte. Djanira aprendeu técnicas, porém, permaneceu fiel ao seu estilo simples.

Próximo à pensão, o Hotel Internacional reunia pintores mais ricos, como os exilados franceses Arpad Szenes e sua mulher Maria Helena Vieira da Silva. Djanira passou a receber apoio. Participou do Salão Nacional de Belas Artes em 1942, e fez duas exposições coletivas e uma individual.

Em 1952, viajou pelo Brasil para colher imagens do cotidiano e de festas religiosas. Essa foi a fase mais expressiva de sua carreira. Representou pescadores, trabalhadores do campo e da cidade, e o místico sincretismo do catolicismo e cultos afro-brasileiros.

O painel "Santa Bárbara" (1964), de 130 metros quadrados e 5300 azulejos, é um dos melhores exemplos desta fase e está hoje no Museu Nacional das Belas Artes do Rio de Janeiro. A obra é uma homenagem aos 18 operários mortos na abertura do Túnel Santa Bárbara, entre os bairros de Catumbi e Laranjeiras, no Rio de Janeiro.

Em 1979, com a saúde novamente debilitada, entrou na Ordem Terceira do Carmo e mudou o nome para Teresa do Amor Divino. Morreu no convento.

Biografias Relacionadas


- Oscar Pereira Da Silva

Oscar Pereira da Silva nasceu em 1867, em São Fidélis, no estado do Rio de Janeiro. Entre 1882 e 1887 estudou na Academia Imperial de Belas Artes, no Rio de Janeiro, tendo como professores Zeferino da Costa, Chaves Pinheiro, Vítor Meireles e José Maria...

- Francisco Rebolo

Em 1915 trabalhou como aprendiz de decorador. Como jogador de futebol, no Corinthians, conquistou o título de Campeão do Centenário, em 1922. A partir de 1934, depois de trabalhar como decorador, decidiu-se pela pintura e em seu ateliê no Edifício Santa...

- Campos Ayres

Diógenes Campos Ayres nasceu em Itapetininga, no ano de 1881. Começou a pintar quando residia em Avaré, interior paulista. Em 1909 foi premiado pelo governo do Estado de São Paulo com uma viagem a Paris, onde estudou com Henri Royer, Robert Fleury e Jean...

- Benno Treidler

Destacou-se sobretudo como aquarelista, dedicando-se também ao magistério de arte. Estudou na Escola e na Academia de Belas Artes de Berlim com os paisagistas Ferdinand Lechner e Christian Wilberg, respectivamente. Chegou ao Brasil em 1885. Em 1890...

- Arthur Timótheo Da Costa

Com o irmão João Timótheo, Arthur iniciou-se como aprendiz da Casa da Moeda. Ingressou na Escola Nacional de Belas Artes em 1894, tendo sido orientado por Zeferino da Costa, Rodolfo Amoedo, Henrique Bernardelli, entre outros. Em 1907, conquistou o...